A experiência escolar de trabalhadores da construção civil

Compreender os significados atribuídos por trabalhadores da construção civil à experiência escolar e analisar a influência de diferentes aspectos do perfil dos alunos na atribuição desses significados. Esses objetivos foram trabalhados na dissertação de mestrado de Maria Gabriela Faiçal Parenti, defendida na Faculdade de Educação da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). O estudo verificou que a experiência escolar significou para os sujeitos da pesquisa um empreendimento portador de prestígio, aumentando sua auto-estima e funcionando como combate à discriminação sofrida em função da profissão.

A dissertação insere-se no campo da Educação de Jovens e Adultos. Seu objetivo geral foi compreender os significados atribuídos por trabalhadores da construção civil à experiência escolar vivenciada em um curso de aperfeiçoamento profissional. Como objetivos específicos, essa dissertação buscou analisar a influência do contexto do trabalho na construção civil nos significados que os trabalhadores desse setor atribuem à experiência escolar, analisar a relação entre as orientações atuais para a área da Educação de jovens e adultos e os significados atribuídos à experiência escolar por alunos-trabalhadores e coletar e sistematizar informações acerca do Projeto CIPMOI (Curso Intensivo de Preparação de Mão-de-Obra Industrial), vislumbrando contribuir para o registro e análise desta experiência na área da Educação de Jovens e Adultos.

A coleta de dados foi realizada junto ao curso de Encarregado Geral de Obras do CIPMOI, um Projeto de Extensão Universitária da Universidade Federal de Minas Gerais voltado para a educação de jovens e adultos trabalhadores. Os sujeitos da pesquisa foram trabalhadores da construção civil alunos de uma turma desse curso. A metodologia utilizada foi a pesquisa de tipo etnográfico; a coleta de dados teve duração de um ano e envolveu as técnicas de observação participante, entrevista e análise de documentos.

Esta dissertação está estruturada em uma introdução e três capítulos. Na introdução, a autora apresenta o surgimento da questão central da pesquisa e discute a metodologia utilizada – a pesquisa de tipo qualitativo, a pesquisa de tipo etnográfico e a categoria significado nas pesquisas qualitativas em educação. Os autores utilizados para a discussão dessas questões foram ALVES, SANTOS FILHO, HAGUETTE, MINAYO, ANDRÉ, HUGHES e FONSECA.

No primeiro capítulo, Parenti analisa o “contexto dos significados”: o CIMPOI e o curso de Encarregado Geral de Obras. O CIPMOI, criado em 1957 por iniciativa dos estudantes de engenharia da então Universidade de Minas Gerais, é atualmente um Projeto de Extensão da UFMG. Realiza-se através da oferta de três cursos de aperfeiçoamento profissional: Encarregado Geral de Obras, Eletricidade de Baixa Tensão e Soldagem Geral. Os instrutores são estudantes da UFMG, maioritariamente dos cursos de graduação em Engenharia. Atuam também como instrutores alunos de graduação em diversos cursos de Ciências Humanas e alunos de pós-graduação. Os alunos do CIPMOI são profissionais oriundos das áreas dos cursos ofertados, e o local de realização dos cursos é a Escola de Engenharia da UFMG. A duração dos cursos é de um ano, com carga horária de 480 horas/aula.

Realizar uma pesquisa junto ao Projeto CIPMOI significou, segundo a autora, investigar uma experiência que vem se realizando na UFMG há mais de 40 anos e não contava até então com nenhum estudo sistemático. O CIPMOI foi analisado como espaço de formação. Para essa discussão, utilizou-se informações relativas a sua organização atual e a sua história, coletadas através da observação participante e da análise de documentos. Procurou-se assim contextualizar a pesquisa, mostrando o contexto no qual os dados foram coletados, entendendo que o cotidiano ali vivenciado influenciou os significados que os alunos atribuíram à experiência escolar.

O segundo capítulo focaliza os sujeitos de pesquisa, ressaltando seu contexto profissional, e apresenta uma caracterização dos alunos da turma na qual se realizou a coleta de dados, procurando comparar esse grupo com o grupo mais amplo de trabalhadores da construção civil da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Nesta parte, a dissertação discute teoricamente o trabalho na construção civil, analisando concepções diferentes acerca do processo construtivo presentes na literatura sobre o tema, a formação dos trabalhadores do setor, a relação entre o saber da prática e o saber teórico na construção civil e a função de Encarregado Geral de Obras. Considerou-se as contribuições de autores de dissertações e teses sobre o tema – REBOUÇAS (1991), CATTANI (1994), FURTADO (1984); TOMASI (1996), BARONE (1999), MAGALHÃES (1986); trabalhos de instituições de educação profissional e/ou de pesquisa, como o SENAI e a Fundação João Pinheiro; e de outros estudiosos da área, como GRANDI. Procurou-se compreender as repercussões do contexto profissional dos alunos sobre os significados que eles atribuíram à experiência escolar vivenciada no curso de Encarregado Geral de Obras do CIPMOI. Procurou-se também analisar concomitantemente as referências teóricas acerca do tema e os dados coletados através da observação participante e das entrevistas.

No terceiro capítulo, a dissertação discute o objeto de pesquisa: os significados atribuídos por trabalhadores da construção civil à experiência escolar vivenciada em um curso de aperfeiçoamento profissional. Analisou-se também a influência de diferentes aspectos do perfil dos alunos na atribuição desses significados. De maneira geral, pode-se perceber uma mudança na direção dos significados atribuídos pelos alunos à experiência escolar vivenciada no curso. Nas entrevistas de seleção e nas primeiras aulas, eles manifestaram preocupações mais pragmáticas, relacionadas diretamente à situação de trabalho. Com o decorrer do curso, a partir aproximadamente da segunda semana de aula, essas preocupações passaram a dividir espaço com outras, trazidas à cena pelo cotidiano do curso, pelas atividades realizadas e pelas relações interpessoais estabelecidas.

Com a realização da pesquisa, foi possível o contato com diversos aspectos que eram entendidos como constituintes dos significados que os alunos iam atribuindo à experiência escolar vivenciada no curso. Agrupou-se esses aspectos em torno de três dimensões centrais – dimensão do conhecimento teórico, dimensão pessoal e dimensão social. “Ressaltamos que o agrupamento dos significados observados em torno dessas dimensões é uma maneira de apurar nossa compreensão acerca dos mesmos, mas essas dimensões não estão rigidamente divididas, podendo diversos aspectos observados ser entendidos em mais de uma dimensão”, explica Parenti.

Os significados foram assim atribuídos à experiência escolar pelos sujeitos da pesquisa e captados através das relações estabelecidas por eles com os conteúdos do curso, consigo mesmos, com seus colegas e instrutores, nos ambientes profissional e familiar.

Nas relações estabelecidas com os conteúdos, através das quais pode-se captar a dimensão do conhecimento teórico dos significados atribuídos à experiência escolar, os alunos demonstraram atribuir à experiência escolar o significado de acesso à forma escolar de organização do saber e de apropriação de conhecimentos técnicos aplicáveis a seu cotidiano profissional.

No que diz respeito a si próprios, aspecto do qual partiu-se para analisar a dimensão pessoal dos significados, a experiência escolar vivenciada significou para os sujeitos da pesquisa um em
preendimento portador de prestígio, aumentando sua auto-estima e funcionando como combate à discriminação sofrida em função de sua profissão. Significou também a possibilidade de elaboração de projetos ou ratificação dos já existentes, de mudança ou desenvolvimento nos campos profissional e escolar.

Na relação com os instrutores e com o CIPMOI, um dos campos para identificação da dimensão social dos significados, os alunos atribuíram ao curso o significado de um espaço de exercício de uma postura ativa, um espaço no qual deviam intervir. A relação com os colegas revelou, em alguns casos, que os sujeitos viam a experiência escolar como uma possibilidade de conhecer colegas de profissão e de aprender com eles. Nas relações estabelecidas fora do curso, outro campo de identificação da dimensão social dos significados, os alunos demonstraram atribuir ao mesmo significados de reconhecimento por parte dos familiares, colegas de profissão e chefes, o que lhes auferia uma valorização positiva nesses ambientes.

Ao analisar a relação entre o perfil dos alunos e os significados atribuídos à experiência escolar considerou-se principalmente os aspectos faixa etária, escolaridade e experiência profissional.

Nas considerações finais da dissertação, procurou-se discutir, através dos resultados da pesquisa, alguns temas atualmente abordados pela produção teórica na área da Educação de Jovens e Adultos, como a tendência verificada nessa produção de preconizar a abordagem da Educação de Jovens e Adultos como parte de um processo de Educação Permanente, a relação entre a formação para a cidadania e a formação técnica na Educação de Jovens e Adultos e a heterogeneidade dos alunos nessa modalidade educativa. Para isso utilizou-se orientações atuais da área, como as divulgadas a partir da Quinta Conferência Internacional de Educação de Adultos, realizada em Berlim, em 1997, e a produção de pesquisadores como HADDAD, PIERRO, PAIVA, FLECHA, RIVERO.

A realização dessa pesquisa também contribuiu para apontar, nas considerações finais, alguns elementos de reflexão para práticas e pesquisas na área da Educação de Jovens e Adultos. A primeira refere-se à postura ativa dos sujeitos da pesquisa na vivência de sua experiência escolar, o que mostra a necessidade de que a Educação de Jovens e Adultos seja um espaço aberto para a expressão dos jovens e adultos trabalhadores: sua visão de mundo, suas expectativas, seus saberes. A pesquisa realizada mostrou também a importância da vivência de uma experiência escolar para o jovem e adulto trabalhador. Além dos resultados do curso realizado – certificado, conhecimentos técnicos adquiridos – seu processo foi significativo para os alunos. “Ressaltamos, particularmente, a importância de projetos de Extensão Universitária como o CIPMOI, que oferecem aos estudantes universitários e aos trabalhadores a vivência de espaços de formação”, ressalta Parenti.

“Trabalhadores da Construção Civil e a Experiência Escolar: Significados Construídos em um Curso de Aperfeiçoamento Profissional”, dissertação de mestrado de Maria Gabriela Faiçal Parenti. Orientação: profa. dra. Maria Amélia Gomes de Castro Giovanetti. Defesa em dezembro de 1999, na Faculdade de Educação da UFMG.

COMO CITAR ESTE CONTEÚDO:
MENEZES, E. T. A experiência escolar de trabalhadores da construção civil. EducaBrasil. São Paulo: Midiamix Editora, 2000. Disponível em <https://educabrasil.com.br/a-experiencia-escolar-de-trabalhadores-da-construcao-civil/>. Acesso em 24 jun. 2024.

Comente sobre este conteúdo: